quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Galerias do Inconsciente






O Inconsciente

O Espectro familiar que anda comigo,
Sem que pudesse ainda ver-lhe o rosto,
Que umas vezes encaro com desgosto
E outras muitas ansioso espreito e sigo.

É um espectro mudo, grave, antigo,
Que parece a conversas mal disposto...
Ante esse vulto, ascético e composto
Mil vezes abro a boca... e nada digo.

Só uma vez ousei interrogá-lo:
Quem és (lhe perguntei com grande abalo)
Fantasma a quem odeio e a quem amo?

Teus irmãos (respondeu) os vãos humanos,
Chamam-me Deus, ha mais de dez mil anos...
Mas eu por mim não sei como me chamo... 

                                                                                   Antero de Quental, in "Sonetos"

.....O.....

Andreas Vollenweider - Caverna Magica


sexta-feira, 4 de agosto de 2017

MATERnidade



A Mulher Mais Bonita do Mundo

estás tão bonita hoje. quando digo que nasceram
flores novas na terra do jardim, quero dizer
que estás bonita.

entro na casa, entro no quarto, abro o armário,
abro uma gaveta, abro uma caixa onde está o teu fio
de ouro.

entre os dedos, seguro o teu fino fio de ouro, como
se tocasse a pele do teu pescoço.

há o céu, a casa, o quarto, e tu estás dentro de mim.

estás tão bonita hoje.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

estás dentro de algo que está dentro de todas as
coisas, a minha voz nomeia-te para descrever
a beleza.

os teus cabelos, a testa, os olhos, o nariz, os lábios.

de encontro ao silêncio, dentro do mundo,
estás tão bonita é aquilo que quero dizer.

                                                                                José Luís Peixoto, in "A Casa, a Escuridão"


.....0.....


António Zambujo –  “Algo estranho acontece” 




segunda-feira, 31 de julho de 2017

Página em Branco






Página em Branco
Tenho uma página em branco e uma guitarra na mão
Ando nisto há quatro dias e não me sai a canção
Os cinzeiros já não chegam, tenho que os despejar
Pensei que um copo de vinho pudesse vir a ajudar

Mas só fico atordoado, sinto o vapor a subir
Imagino um crocodilo estupidamente a sorrir
O piano ficou surdo, não me dá atenção
Essas musas, essas bruxas roubaram-me a inspiração

Eu vou mas é descansar, deixar tudo espairecer
Entre os cantos de uma folha tudo pode acontecer
Neste grande espaço em branco só te quero dizer
Nananananana
Gosto de ti

Tenho uma página em branco, gostava de a preencher
Sem rabiscos, estes dados são coisas para inglês ver
Uma simples mancha negra pode ser solução
Perspectiva actualizada desta minha situação

Tenho uma página em branco e sinto a barba a crescer
Há tanta coisa a tratar, há tanta coisa a aprender
O relógio já me disse, nunca olhes para trás
E o ponteiro das horas insiste em não me deixar em paz

Eu vou mas é descansar, deixar tudo espairecer
Entre os cantos de uma folha tudo pode acontecer
Neste grande espaço em branco só te quero dizer
Nananananana

Neste grande espaço em branco, só te quero dizer

Nananananana, gosto de ti

..........

Jorge Palma - "Página em Branco"
(Videoclipe Oficial do tema Página em Branco
Álbum - Com Todo o Respeito (2011))





quinta-feira, 27 de julho de 2017

Ciclos de vida... OUTONO




          (Participação referente ao tema proposto por Ilustração Contemporânea Portuguesa para o mês de Dezembro de 2016)


Outono

O outono vem vindo, chegam melancolias,
cavam fundo no corpo,
instalam-se nas fendas; às vezes
por aí ficam com a chuva
apodrecendo;
ou então deixam marcas; as putas,
difíceis de apagar, de tão negras,
duras.

                                                                                   Eugénio de Andrade, in 'O Outro Nome da Terra'

....0....

José Afonso - Balada de Outono
(O último concerto de Zeca Afonso em 29 de Janeiro de 1983, no Coliseu)


quarta-feira, 26 de julho de 2017

"Tão Bela... Tão Sedutora..."




(Trabalho seleccionado e exposto no Salão Primavera do Casino Estoril em 1988) 


Alcool
  Guilhotinas, pelouros e castelos 
Resvalam longamente em procissão; 
Volteiam-me crepúsculos amarelos, 
Mordidos, doentios de roxidão. 

Batem asas d'auréola aos meus ouvidos, 
Grifam-me sons de côr e de perfumes, 
Ferem-me os olhos turbilhões de gumes, 
Desce-me a alma, sangram-me os sentidos. 

Respiro-me no ar que ao longe vem, 
Da luz que me ilumina participo; 
Quero reunir-me, e todo me dissipo - 
Luto, estrebucho... Em vão! Silvo pra além... 

Corro em volta de mim sem me encontrar... 
Tudo oscila e se abate como espuma... 
Um disco de ouro surge a voltear... 
Fecho os meus olhos com pavor da bruma... 

Que droga foi a que me inoculei? 
Ópio d'inferno em vez de paraíso?... 
Que sortilégio a mim próprio lancei? 
Como é que em dor genial eu me eterizo? 

Nem ópio nem morfina. O que me ardeu, 
Foi alcool mais raro e penetrante: 
É só de mim que eu ando delirante - 
Manhã tão forte que me anoiteceu. 
                                                                          Mário de Sá-Carneiro 


Beco - Lena D'água


Maldita Cocaína - Lena D'água

 (Teatro São Luiz em fev 94)

 

segunda-feira, 24 de julho de 2017

S. JULIÃO da BARRA




Ponto de referência litoral para os concelhos de Oeiras e Cascais tem encostado a si a a agradável Praia daTorre (Concelho de Oeiras) e a bela Praia de Carcavelos (Concelho de Cascais).

...O...

O Forte de São Julião da Barra  constitui o maior e mais completo complexo militar de defesa no estilo Vauban  remanescente em Portugal. ...”.


FORTE de S. JULIÃO da BARRA - CARCAVELOS



quarta-feira, 19 de julho de 2017

A NOITE



(Participação referente ao tema proposto por Ilustração Contemporânea Portuguesa para o mês de Fevereiro de 2017)



Fico Sozinho com o Universo Inteiro

Começa a haver meia-noite, e a haver sossego,
Por toda a parte das coisas sobrepostas,
Os andares vários da acumulação da vida...
Calaram o piano no terceiro andar...
Não oiço já passos no segundo andar...
No rés-do-chão o rádio está em silêncio...

Vai tudo dormir...

Fico sozinho com o universo inteiro.
Não quero ir à janela:
Se eu olhar, que de estrelas!
Que grandes silêncios maiores há no alto!
Que céu anticitadino! —
Antes, recluso,
Num desejo de não ser recluso,
Escuto ansiosamente os ruídos da rua...
Um automóvel — demasiado rápido! —
Os duplos passos em conversa falam-me...
O som de um portão que se fecha brusco dóí-me...

Vai tudo dormir...

Só eu velo, sonolentamente escutando,
Esperando
Qualquer coisa antes que durma...
Qualquer coisa.

                                                        Álvaro de Campos, in "Poemas"




Bernardo Sassetti - Noite (Alice)




segunda-feira, 10 de julho de 2017

SONHOS D'IRIS!!!





    Distante Melodia 
Num sonho d'Iris, morto a ouro e brasa,
Vem-me lembranças doutro Tempo azul
Que me oscilava entre véus de tule -
Um tempo esguio e leve, um tempo-Asa.

Então os meus sentidos eram côres,
Nasciam num jardim as minhas ansias,
Havia na minh'alma Outras distancias -
Distancias que o segui-las era flôres...

Caía Ouro se pensava Estrelas,
O luar batia sobre o meu alhear-me...
Noites-lagoas, como éreis belas
Sob terraços-liz de recordar-me!...

Idade acorde d'Inter sonho e Lua,
Onde as horas corriam sempre jade,
Onde a neblina era uma saudade,
E a luz - anseios de Princesa nua...

Balaústres de som, arcos de Amar,
Pontes de brilho, ogivas de perfume...
Dominio inexprimivel d'Ópio e lume
Que nunca mais, em côr, hei de habitar...

Tapêtes doutras Persias mais Oriente...
Cortinados de Chinas mais marfim...
Aureos Templos de ritos de setim...
Fontes correndo sombra, mansamente...

Zimbórios-panthéons de nostalgias...
Catedrais de ser-Eu por sobre o mar...
Escadas de honra, escadas só, ao ar...
Novas Byzancios-alma, outras Turquias...

Lembranças fluidas... cinza de brocado...
Irrealidade anil que em mim ondeia...
- Ao meu redór eu sou Rei exilado,
Vagabundo dum sonho de sereia...

                                            Mário de Sá-Carneiro, in 'Indícios de Oiro'


                                                         Amor Electro - "A Máquina"                                       


Amor Electro - "Só é fogo se queimar"



sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Ao Longe o Mar




Meu Amigo Está Longe
(Amália Rodrigues)

Nem um poema, nem um verso, nem um canto,
Tudo raso de ausência, tudo liso de espanto
Amiga, noiva, mãe, irmã, amante,
Meu amigo está longe
E a distância é tão grande.

Nem um som, nem um grito, nem um ai
Tudo calado, todos sem mãe nem pai
Amiga noiva mãe irmã amante,
Meu amigo está longe
E a tristeza é tão grande.

Ai esta magoa, ai este pranto, ai esta dor
Dor do amor sozinho, o amor maior
Amiga noiva mãe irmã amante,
Meu amigo está longe
E a saudade é tão grande.

...O...

Amália Rodrigues - Meu Amigo Está Longe




NOTA: 

      “Surripiei” a imagem que está em primeiro plano (Jeanette Nolan in Macbeth (1948)) daqui e adaptei-a ao contexto… que me desculpem os mais puristas!


sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Além… para lá do horizonte...




Paz
Irreprimível natureza
exacta medida do sem-fim
não atinjas outras distâncias
que existem dentro de mim.

Que os meus outros rostos não sejam
o instável pretexto da minha essência.
Possam meus rios confluir
para o mar duma só consciência.



Quero que suba à minha fronte 
a serenidade desta condição:
harmonia exterior à estátua
que sabe que não tem coração.
                                                          Natália Correia, in "Poemas (1955)"



                                         Rodrigo Leão 



segunda-feira, 6 de agosto de 2012

NEVOEIRO...





MITOS...

Um breve intróito:

              Durante uma incompreensível Cruzada, Dom Sebastião I  ("O Desejado") jovem monarca Português (1554/1578), morre na Batalha de Alcácer Quibir sem ninguém o ter testemunhado... Este fatídico e misterioso episódio é a génese de um mito sobre sua figura e permanece até aos dias de hoje no imaginário do Povo Português… narra a lenda que regressará numa manhã de nevoeiro para fundar o Quinto Império

       É assim o Sebastianismo, uma espécie de Messianismo português.

...

A ÚLTIMA NAU

Levando a bordo El-Rei D. Sebastião,
E erguendo, como um nome, alto o pendão
Do Império,
Foi-se a última nau, ao sol aziago
Erma, e entre choros de ânsia e de pressago
Mistério.

Não voltou mais. A que ilha indescoberta
Aportou? Voltará da sorte incerta
Que teve?
Deus guarda o corpo e a forma do futuro,
Mas Sua luz projecta-o, sonho escuro
E breve.

Ah, quanto mais ao povo a alma falta,
Mais a minha alma atlântica se exalta
E entorna,
E em mim, num mar que não tem tempo ou espaço.
Vejo entre a cerração teu vulto baço
Que torna.

Não sei a hora, mas sei que há a hora,
Demore-a Deus, chame-lhe a alma embora
Mistério.
Surges ao sol em mim, e a névoa finda:
A mesma, e trazes o pendão ainda

Do Império.

                                                    Fernando Pessoa - Mensagem 
...


Quarteto 1111 - A Lenda de Dom Sebastião




sábado, 9 de junho de 2012

ADAMASTOR




O  MOSTRENGO

O mostrengo que está no fim do mar
Na noite de breu ergueu-se a voar;
À roda da nau voou três vezes,
Voou três vezes a chiar,

E disse: «Quem é que ousou entrar
Nas minhas cavernas que não desvendo,
Meus tectos negros do fim do mundo?»
E o homem do leme disse, tremendo:

«El-Rei D. João Segundo!»
«De quem são as velas onde me roço?
De quem as quilhas que vejo e ouço?»
Disse o mostrengo, e rodou três vezes,

Três vezes rodou imundo e grosso.
«Quem vem poder o que só eu posso,
Que moro onde nunca ninguém me visse
E escorro os medos do mar sem fundo?»

E o homem do leme tremeu, e disse:
«El-Rei D. João Segundo!»
Três vezes do leme as mãos ergueu,
Três vezes ao leme as reprendeu,

E disse no fim de tremer três vezes:
«Aqui ao leme sou mais do que eu:
Sou um povo que quer o mar que é teu;
E mais que o mostrengo, que me a alma teme

E roda nas trevas do fim do mundo,
Manda a vontade, que me ata ao leme,
De El-Rei D. João Segundo!»
                                             
                                                             Fernando Pessoa    ( In Mensagem)


Dulce Pontes - Canção do Mar



domingo, 13 de maio de 2012